A primeira resenha de “Úrsula” na imprensa maranhense – Luciana Diogo

PDF

LUCIANA MARTINS DIOGO

Doutoranda em Literatura Brasileira pela Universidade de São Paulo (USP); Bacharela e Licenciada em Ciências Sociais pela Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas (FFLCH/USP); Mestra em Culturas e Identidades Brasileiras pelo Instituto de Estudos Brasileiros (IEB/USP) com a dissertação Da sujeição à subjetivação: a literatura como espaço de construção da subjetividade, os casos das obras Úrsula e A escrava de Maria Firmina dos Reis, com bolsa Capes; Gestora de conteúdos e Editora do portal Memorial de Maria Firmina dos Reis.
luciana.diogo@usp.br

RESUMO

Este artigo faz uma a análise do anúncio de subscrição do romance Úrsula, de Maria Firmina dos Reis, veiculado na seção Publicações Pedidas, do jornal A Imprensa, de 17 de outubro de 1857, ano I, número 40, página 3, segunda coluna. A partir da análise de parágrafos, demonstramos que, ao descrever a ambientação da narrativa, a resenha aborda questões relativas às condições de produção da obra e também lança luz para alguns elementos que poderiam fazer parte de um possível projeto literário e intelectual de Maria Firmina dos Reis. A análise está pautada nas abordagens de Antonia Pereira de Souza, Sérgio Barcellos Ximenes e Luiza Lobo.

Palavras-chave: Maria Firmina dos Reis. Úrsula. Literatura Brasileira. Mulheres. Escravidão.

REFERÊNCIAS

CARVALHO, Jéssica Catharine Barbosa de. Literatura e atitudes políticas: olhares sobre o feminino e antiescravismo na obra de Maria Firmina dos Reis. 2018. 128 f. Dissertação (Mestrado em Letras) – Programa de Pós-graduação em Letras da Universidade Federal do Piauí, 2018. Disponível em: https://repositorio.ufpi.br/xmlui/bitstream/handle/123456789/1142/DISSERTA%C3%87%C3%83O%20J%C3%89SSICA%20CATHARINE%20PPGEL%20UFPI%20FINAL.pdf?sequence=4. Acesso em:      25 maio 2020.

DIOGO, Luciana Martins. Firmina por Firmina: interpretando seus álbuns e diários. In: Da sujeição à subjetivação: a literatura como espaço de construção da subjetividade, os casos das obras Úrsula e A escrava de Maria Firmina dos Reis. 220 f. Dissertação (Mestrado em Estudos Brasileiros) – Instituto de Estudos Brasileiros da Universidade de São Paulo, São Paulo, 2016. p. 48-56. Disponível em: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/31/31131/tde-01112016-103251/pt-br.php. Acesso em:      25 maio 2020.

LOBO, Luiza. Auto-retrato de uma pioneira abolicionista. In: Crítica sem Juízo. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1993. p. 222-238.

SOUZA, Antonia Pereira de.A prosa de ficção nos jornais do Maranhão Oitocentista. João Pessoa, 2017. 329 f. Tese (Doutorado no Programa de Pós-graduação em Letras) – Universidade Federal da Paraíba. Disponível em:      http://www.cchla.ufpb.br/ppgl/wp-content/uploads/2017/04/A-PROSA-DE-FIC%C3%87%C3%83O-NOS-JORNAIS-DO-MARANH%C3%83O-OITOCENTISTA.pdf. Acesso em:      25 maio 2020.

XIMENES, Sérgio Barcellos. A história do romance      Úrsula. In: A Arte Literária| Blog Disponível em:      https://aarteliteraria.wordpress.com/2018/02/11/a-historia-do-romance-ursula/     . Acesso em:      25 maio 2020.


Como citar: DIOGO, Luciana Martins. A primeira resenha de Úrsula na Imprensa maranhense. Revista Firminas, São Paulo, v. 1, n. 1, p. 72-85, jan/jul, 2021. 

Publicado em: 11/03/2021

Editoria:

Fernanda Miranda
Luciana Diogo
Marília Correia

e_mail: revistafirminas@gmail.com

Arte | #1: Carolina Itzá

Diagramação |artigo:Érica Rodrigues

Capa | #1: Carolina Fernandes

Revisão |artigo: Aiko Mine

Edição de vídeos | #1 Aline Fátima

Logomarca | Wal Paixão

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.