Cantos à Beira-mar: Socorro Lira canta Firmina

MEMORIAL [ENTREVISTA] – SOCORRO LIRA

A compositora, cantora, instrumentista, poeta-escritora e produtora cultural Socorro Lira lança no próximo domingo, 14/04, o CD “Cantos à Beira-mar”, 12º álbum de sua carreira.

Brejo-Cruzense, graduou-se em Psicologia Social pela Universidade Estadual da Paraíba, mas desde os dezesseis anos desenvolveu uma paixão pelo violão: primeiro como autodidata, passando, em seguida, a estudar técnica violonística e introdução ao violão clássico no Departamento de Artes da Universidade Federal da Paraíba, em Campina Grande, com o Prof. Edilson Eulálio.

 A partir de então, seu trabalho com a música tomou novas proporções.

Socorro Lira ganhou diversos prêmios: em 1998, venceu o Prêmio Europa 98 da Associazione Senza Frontiere, de Lentate Sul – Seveso, Milão, Itália. Em 2013, ganhou o Troféu Cata-vento de “Melhor Música” (Pata humana pata), da Rádio Cultura FM, São Paulo – Programa Solano Ribeiro. Por fim, em 2012, recebeu o Prêmio da Música Brasileira de “Melhor Cantora” (regional), sendo indicada nesta mesma categoria em 2016 e 2017.

Ainda em 2017, inicia o Projeto AvivaVoz, com as escritoras Maria Valéria Rezende e Susana Ventura. O projeto consiste em musicar dez poetas mulheres dos séculos XIX e XX, que não foram reconhecidas pela crítica literária da época ou ficaram esquecidas ao longo da História, e publicá-las em CDs; começando por Maria Firmina dos Reis, com o EP “Seu Nome”.

É o desdobramento desse projeto que dá origem ao CD “Cantos à Beira-mar”, e é sobre ele e seu processo de composição que Socorro Lira gentilmente concedeu-nos a entrevista que você confere a seguir.

Memorial – Como foi seu encontro com a obra de Maria Firmina dos Reis?

Socorro Lira – Foi em 2017, através de Maria Valéria Rezende que me pediu para musicar poemas de Firmina para o primeiro Mulherio da Letras, em João Pessoa. Fiquei surpresa com minha ignorância sobre a existência dessa escritora. Como eu não a conhecia, apesar da importância dela? Se   não nos contam não há como saber.

Memorial – Por que decidiu compor o CD e como se deu a escolha dos poemas de Cantos à Beira-mar?

Socorro Lira – Depois que Valéria me apresentou Firmina, fui atrás e me encantei com sua poesia. Musiquei 4 poemas e lancei no EP ‘Seu Nome”, nas plataformas digitais, ainda para o Mulherio, em 2017. Gostamos tanto que tivemos vontade de continuar fazendo isso a outros nomes que viveram, escreveram e publicaram entre os séculos 18 a 20 mas que se mantiveram fora do cânone. E em geral pelos motivos óbvios: misoginia, machismo, etc. 
O projeto AvivaVOZ nasce, então, da intenção de reavivar vozes de mulheres silenciadas e apagadas da história da literatura brasileira.  Do livro Cantos à Beira-mar busquei aqueles que já traziam música. Eu só achei neles a melodia e o ritmo. E com os quais mais me identifiquei. 
Pensei em fazer o CD mesmo com recursos próprios e do jeito que deu, porque considero importante realizar. Esperar o que e por quem, nesse momento, não é mesmo? É contar com quem podemos contar. Aí entram as parcerias e as amizades.

Memorial – Você já havia musicado outra poetisa antes?

Socorro Lira – Sim. E musiquei também Cantigas de Amigo Medievais Galego-portuguesas para o CD Cores do Atlântico editado na Galiza/ Espanha, em 2010 e aqui no Brasil em 2016. Fui indicada ao Prêmio da Música Brasileira com esse disco, em 2017. Esses temas que musiquei e atualizei para o português brasileiro são cantos de mulheres que viveram há cerca de 900 anos onde hoje é a Euro-região Galiza-Norte de Portugal, mas que conhecemos como se fossem de trovadores galegos e portugueses; afinal eram os homens que escreviam. Eles copiavam cantos tradicionais cantados por mulheres e assumiam a autoria. O álbum Cores do Atlântico está nas plataformas digitais também.

Memorial – Quais as particularidades ou identificações você encontrou na obra de Firmina?

Socorro Lira – Ela falava como falamos hoje. Os problemas persistem. A borracha que apaga mulher da história segue ativa. O que me chama a atenção nela é a forma como se expressava. Ela expressava sentimentos, falava de amores, dela… Embora mantivesse oculto o que precisava manter oculto ‘Seu nome’, como fazemos hoje ainda, aliás. Ela é gigante. Um farol para mim e para mulheres – e homens também – que queiram quebrar velhos modelos que aprisionam, penso. Firmina é para esse novo milênio.

Memorial – Já tem uma agenda de shows para divulgação?

Socorro Lira – Tenho uma agenda de shows, mas são diversos porque tenho outros trabalhos ao mesmo tempo. Cantos à Beira-mar como música está no mundo, desejo que as pessoas se apropriem do que fizemos e levem adiante as canções. O Brasil precisa de memória para não se perder de vez, inda mais agora. Firmina se levanta em nossas vozes, em histórias de mulheres como Marielle. Vejo um fio que liga essas existências.

Memorial – Gostaria de acrescentar algo?

Agradecer a quem participou e ajudou de todas as formas possíveis. Este é um trabalho feito a muitas mãos. Agradeço.

***

Socorro Lira sobe ao palco do Ibirapuera acompanhada de Ana Eliza Colomar (sax, flauta), Álvaro Couto (sanfona, piano), Clara Bastos (baixo acústico), Cássia Maria (percussão) e Jorge Ribbas (violão, arranjos e direção musical). A apresentação tem a participação especial da escritora Maria Valéria Rezende, da acordeonista Cimara Fróis e da cantora Fabiana Cozza. A própria Socorro Lira assina a direção de arte e as projeções são de Murilo Alvesso.

“O repertório permitirá à plateia ouvir dez composições de autoria de Socorro Lira sobre poemas de Firmina — que mesclarão ritmos como bolero, reggae, canção choro, fado, samba, valsa, milonga, baião e loa de maracatu cearense.” (Marcelino Lima).

A apresentação conta com interpretação na Língua Brasileira de Sinais (Libras).

Confira nossa playlist no canal Memorial Maria Firmina dos Reis no Youtube

Serviço

  • Dia: domingo 14 de abril de 2019
  • Horários: às 19h | Abertura da casa: 90 minutos antes do espetáculo
  • Duração: 70 minutos (aproximadamente)
  • Ingressos: R$ 30 e R$ 15 (meia-entrada) | Os ingressos podem ser adquiridos:  
  • Ibirapuera: das 13h às 22h; domingo das 13h às 20h
  • link vendas ingressos: http://www.itaucultural.org.br/socorro-lira
  • Ingresso rápido: https://goo.gl/kUEdoW
  • Classificação Indicativa: livre para todos os públicos

Agenda

  • 14/4. Auditório Ibirapuera, São Paulo
  • 18/4. Curitiba
  • 21/4. Sesc Avenida Paulista, São Paulo
  • 26/4. CCBNB Fortaleza
  • 26/4. Livraria Benfica, Fortaleza
  • 27/4. CCBNB Fortaleza
  • 27/4. Gentilândia Fortaleza

 O #CDCantosàBeiraMar já está disponível nas principais plataformas digitais:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.