Novos tempos, novas escravidões: a liberdade (trans)sonhada no cotidiano das calçadas – Luciana Ulgheri

PDF

LUCIANA MIRANDA MARCHINI ULGHERI

Graduada em Letras (Português – Italiano) pela Universidade de São Paulo (2002); Mestra em Letras – Língua e Literatura Italiana (2005); Doutora em Letras – Estudos Comparados de Literaturas de Língua Portuguesa (2016), pela mesma instituição, atuando principalmente nas seguintes áreas: Língua e Literatura Italiana e Literatura Comparada. Atualmente integra o grupo de pesquisa Interseções: As literaturas de língua portuguesa, comparativismos e convergências no qual realiza pesquisa relacionada com as escrituras de cunho autobiográfi co de sujeitos trans no cenário das literaturas de língua portuguesa e também naquele italiano, numa perspectiva queer; Desenvolve pesquisa sobre as literaturas migrantes contemporâneas e mais especifi camente sobre a atual literatura migrante em língua italiana.
lummarchini@gmail.com

RESUMO

Com base na premissa de Primo Levi (1997) de que o instrumento literário constitui o meio através do qual o autor redefine a distância entre o vivido e a escritura revelando a veracidade da experiência não presente em um simples documento, propomos discutir estados atuais de escravidão de indivíduos em razão de sua vulnerabilidade e sentimento de não pertencimento ao Estado-Nação. Nosso recorte focalizará pessoas transexuais em trânsito entre o Brasil e a Europa, lugar de destino de muito(a)s que, sentindo-se perseguido(a)s em seus países de origem, procuram maior liberdade. A abordagem proposta focaliza a narração de um indivíduo desviante em relação ao sexo, ao gênero e à orientação sexual na narrativa de cunho autobiográfico Princesa (1994).

Palavras-chave: Princesa. Violência. Migração transexual.

REFERÊNCIAS

ALBUQUERQUE, F. F. de; JANNELLI, M., 1994, Princesa, Sensibili alle Foglie, Roma.
BERUTTI, Eliane, 2010, Gays, lésbicas, transgenders: O caminho do arco-íris na cultura norte-americana, Rio de Janeiro.
BUTLER, J., SPIVAK, G., 2009, Quièn le canta al Estado-Nación. Lenguaje, política, pertencia, tradução Fermín Rodriguez, Paidós, Buenos Aires.
CANDIDO, A. et al., 1981, A personagem do romance, in A personagem de ficção, Perspectiva, São Paulo, pp. 53-80. COLAÇO, R., 12/11/2012, Os sombrios anos da Peste Gay, Memória/História MHB – MLGBT, disponível em: http://memoriamhb.blogspot.com.br/2012/11/os-sombrios-anos-da-peste-gay.html. Acesso em: 04 Mar. 2018.
DALLA-ROSA, L. V., 2007, Democracia substancial: um instrumento para o poder político, in Clève, C. M.; Sarlet, I. W. et al. (Orgs.), in Direitos humanos e Democracia, Forense, Rio de Janeiro, p. 217.
DELEUZE, G.; GUATTARI, F., 1997, Mil platôs, tradução Ana Lúcia de Oliveira, Editora 34, São Paulo, v. 5 FELTRAN, G.; SANJURJO, L., 14/08/2015, Como terminam as vidas sem valor, Outras palavras. net, disponível em http://outraspalavras.net/brasil/como-terminam-as-vidas-sem-valor/. Acesso em: 08 Maio 2018.
FIORIN, J. L., 2008, Em busca do sentido: estudos discursivos, Contexto, São Paulo.
KANT, I., 2013, À paz perpétua, trad. Marco Zingano, LP&M, Porto Alegre, RS.
LITARDO, E., 1989, Os corpos desse outro lado: a Lei de Identidade de Gênero na Argentina, Meritum. Revista de Direito da Universidade FUMEC, Belo Horizonte, v. 8, n. 2.
LEVI, P., 1997, Auschwitz, città tranquila, in Belpoliti, M. Primo Levi, Racconti e saggi – Opere, Einaudi, Torino, vol. 2, pp. 857-993. RODRIGUES, R. de C. C., 2012, De Daniele a Chrysóstomo: Quando travestis, bonecas e homossexuais entram em cena, tese de Doutorado em História
Social, Universidade Federal Fluminense, Niterói.
SURFISTINHA, B., 2005, O doce veneno do escorpião. O diário de uma garota de programa, Panda Books, São Paulo.
VERAS, E. F.; PEDRO, M., 01/08/2015, Viver e Lutar – Surgimento da Aids realimentou preconceitos contra homossexuais, mas fez nascer uma nova resistência no país, Revista de História, disponível em: http://www.revistadehistoria.com.br/secao/capa/viver-e-lutar. Acesso em 04 Mar. 2018.

Editoria:
Fernanda Miranda
Luciana Diogo
Marília Correia

Revisão |artigo: Ana Flávia Ribeiro
Diagramação |artigo: Maira Spilack

Arte | #1: Carolina Itzá

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *