De mãos dadas com a ancestral: firmando os pontos para despachar o “carrego colonial” – Hildalia Cordeiro

PDF

Hildalia Fernandes Cunha Cordeiro

É doutoranda em Literatura e Cultura pelo Instituto de Letras da Universidade Federal da Bahia; Mestre em Educação e Contemporaneidade pelo PPGEduc/UNEB; Especialista em História e Cultura Africana e Afro-Brasileira pela Fundação Visconde de Cairu e especialista em Linguística Textual com ênfase em Análise do Discurso pelo CEPOM; possui graduação em Serviço Social pela Universidade Católica do Salvador e Pedagogia pela Faculdade D. Pedro II; trabalha com formação de professores com temáticas sobre as Relações Étnico-raciais e Educação antirracista. É, ainda, professora formadora da Plataforma Freire (PARFOR/UNEB e Universidade Aberta do Brasil (UAB); Contista, tendo contos publicados nos Cadernos Negros nº 36 e 38 e outras antologias; Pesquisa e orienta trabalhos de conclusão de curso (graduação e pós-graduação) sobre Escrita literária de mulheres negras na e pela diáspora e em especial sobre Carolina Maria de Jesus e Toni Morrison; Participa, também, dos grupos literários: Quilombo Letras e Lendo Mulheres Negras; É Erva Doce na família Associação Arte Baiana Capoeira e é mãe de Cauê, sua maior e mais importante obra; Bolsista CAPES.
hildaliafernandes@hotmail.com

RESUMO

O presente ensaio objetiva provocar reflexões sobre a importância do legado deixado pela escritora negra estadunidense Toni Morrison, no que diz respeito ao exercício de cartografia das construções identitárias de mulheres negras espalhadas e (re)unidas pela diáspora através da ficcionalização das memórias e histórias negras. A crença é a de que por meio do acesso e leitura ao acervo produzido por essa mais velha, pontos sejam firmados nas diferentes encruzilhadas e assim, consigamos “despachar o carrego colonial” (SIMAS; RUFINO, 2019) fruto do sequestro, via escravização, que há tanto nos atrapalha na caminhada rumo à emancipação. À essa escrita e forma específica de ler os romances produzidos pela referida autora, foi dado o nome de Literatura Abẹ̀bẹ̀: uma abordagem teórico-crítica negro-perspectivada.

Palavras-chave: Toni Morrison. Identidade negra. Literatura Abẹ̀bẹ̀. Carrego colonial. Ancestralidade.

REFERÊNCIAS

AKOTIRENE, Carla. O que é interseccionalidade. Belo Horizonte: Letramento, 2018. (Feminismos Plurais).

AUGUSTO, Geri. Transnacionalismo negro: a encruzilhada de amefrican@s. In: Revista da FAEEBA – Educação e Contemporaneidade, Salvador, v. 25, n. 45, p. 25-38, jan./abr. 2016. p. 25-38. Disponível em: file:///C:/Users/Day/Downloads/2281-6192-1-M.pdf. Acesso em: 18 dez. 2019.

COLLINS, Patricia Hill. O poder da autodefinição. In: Pensamento feminista negro: conhecimento, consciência e a política do empoderamento. São Paulo: Boitempo, 2019.p. 179-215.

COSTA, Jurandir Freire. Da cor ao corpo: a violência do racismo. In: Violência e Psicanálise. Rio de Janeiro: Graal, 1984. Disponível em: http://www.sedesweb.org.br/Departamentos/Psicanalise/pdf/dacoraocorpo_jurandirfreire.pdf. Acesso em: 03 dez. 2019.

CHUCHO GARCÍA, Jesús. Afroepistemología y afroepistemetódica. In: WALKER, Sheila S. (Org.). Conocimiento desde Adentro: los afrosudamericanos hablan de sus pueblos y sus historias. Popayán, Colombia: Editorial Universidad del Cauca, 2012. p77-92.

GIRAUDO, José Eduardo Fernandes. Poética da memória: uma leitura de Toni Morrison. Porto Alegre: Ed. Universidade/UFRGS, 1997.

HOOKS, bell. Sobre Autorrecuperação. In: Anseios: raça, gênero e políticas culturais. São Paulo: Elefante, 2019. p.73-83.

_____, bell. Vivendo de Amor. In: WERNECK, J. O Livro da Saúde das Mulheres Negras: nossos passos vêm de longe. Rio de Janeiro: Pallas; Criola, 2000.

LORDE, Audre. A transformação do silêncio em linguagem e ação. Comunicação de Audre Lorde no painel Lésbicas e literatura da Associação de Línguas Modernas em 1977 e publicado em vários livros da autora. Disponível em: https://www.geledes.org.br/a-transformacao-do-silencio-em-linguagem-e-acao/ Acesso em: 02 dez. 2019.

MIGNOLO, Walter. Desobediência Epistêmica: a opção descolonial e o significado de identidade em política. In: Cadernos de Letras da UFF – Dossiê: Literatura, língua e identidade, no 34, p. 287-324. p. 2008 287. Disponível em: http://www.cadernosdeletras.uff.br/joomla/images/stories/edicoes/34/traducao.pdf. Acesso em: 15 dez. 2019.

MIRANDA, Fernanda (2016). Uma antologia além do cânone. In: Suplemento Pernambuco. Disponível em: https://www.suplementopernambuco.com.br/edi%C3%A7%-C3%B5es-anteriores/72-resenha/1815-uma-antologia-al%C3%A9m-do-c%C3%A2none.html. Acesso em: 07 dez.

2019.

MORRISON, Toni. O olho mais azul. São Paulo: Companhia das Letras, 2003.

_________, Toni. Sula. New York: Alfred A. Knopf, 1993.

_________, Toni. Canção de Solomon. São Paulo: Best Seller, 1977.

_________, Toni. Pérola Negra. São Paulo: Best Seller, 1981.

_________, Toni. Amada. São Paulo: Companhia das Letras, 2007.

_________, Toni. Paraíso. São Paulo: Companhia das Letras, 1998.

_________, Toni. Compaixão. São Paulo: Companhia das Letras, 2009.

_________, Toni. Jazz. São Paulo: Companhia das Letras, 2009.

_________, Toni. Voltar para Casa. São Paulo: Companhia das Letras, 2016.

_________, Toni. Deus Ajude a Criança. Lisboa: Editorial Presença, 2016.

NOGUEIRA, Izildinha Baptista. Significações do corpo negro. São Paulo: USP, 1998 (Tese de doutorado em psicologia escolar e do desenvolvimento humano). Disponível em: https://negrasoulblog.files.wordpress.com/2016/04/significacoes-do-corpo-negro-isildinha-baptista-nogueira-tese.pdf. Acesso em: 14 dez. 2019.

OLIVEIRA, Eduardo. Filosofia da ancestralidade: Corpo e Mito na Filosofia da Educação Brasileira. Curitiba: Editora Gráfica Popular, 2007.

SIMAS, Luiz Antonio; RUFINO, Luiz. O carrego colonial. In: Flecha no tempo. Rio de Janeiro: Mórula, 2019. p. 17-24.

RATTS, Alex (Org.); NASCIMENTO, Beatriz. Eu sou Atlântica: sobre a trajetória de vida de Beatriz Nascimento. São Paulo: Instituto Kuanza/Imprensa Oficial, 2006. Disponível em: https://www.imprensaoficial.com.br/downloads/pdf/projetossociais/eusouatlantica.pdf Acesso em: 15 de dez. de 2019.

SOUZA, Neusa Santos. Tornar-se negro: as vicissitudes da identidade do negro brasileiro em ascensão social. Rio de Janeiro: Graal, 1983.

WALKER, Alice. Beleza: Quando o meu par sou eu. Disponível em: https://pt.scribd.com/document/198899033/Quando-Meu-Par-Sou-Eu-Alice-Walker. Acesso em 13 dez. 2019.

Editoria:
Fernanda Miranda
Luciana Diogo
Marília Correia

Revisão |artigo: Ana Flávia Ribeiro
Diagramação |artigo: Érica Rodrigues

Arte | #1: Carolina Itzá

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *